Imprimir este artigo

Enviar este link por E-Mail
Adicionar aos Favoritos
Ver outros artigos

.

Reposição hormonal masculina previne e retarda seus sintomas.

.
Ouve-se muito falar em Reposição Hormonal para a mulher porque ela tem sintomas clássicos. Faltou o hormônio, ela pára de menstruar e aí começa o ressecamento da pele, o cabelo fica sem vida e muitas das há também a sua queda, mudanças repentinas de humor, depressão, ondas de calor, obesidade, flacidez na pele e músculos, passa a ter dificuldade nas relações sexuais devido ao ressecamento da vagina, enfim, uma série de sintomas e sinais clínicos que vão surgindo progressivamente. Essas alterações, que na mulher culmina com a "temida" Menopausa, começam a surgir por volta dos 45 anos de idade. Já no homem, vem sendo chamada de "Andropausa" e apresenta sintomas dos mais variados, desde a perda do tônus muscular indo até a sintomas depressivos e desinteresse sexual. Esses sintomas ocorrem mais tardiamente, em relação às mulheres. Ela começa a surgir por volta dos 50-55 anos. São os sinais do tempo provocando principalmente déficit de hormônios também nos homens. Felizmente, com os avanços da Medicina e a descoberta da Terapia de Reposição Hormonal Masculina, é possível ao menos retardar essa triste evolução.

.

A silhueta regressiva do homem (20 aos 55 anos)

 

A silhueta progressiva do homem (20 aos 120 anos)

 

.
Assim como na mulher - que tem seus níveis de Estrogênio (hormônio feminino) diminuídos -, a medida o homem envelhece os
níveis de Testosterona (hormônio masculino) vão baixando progressiva-mente. A Andropausa, ao contrário da Menopausa, não traz o fim da fertilidade para o homem, apenas uma redução dela devido à menor produção de espermatozóides, mas também tem sintomas incômodos. Entretanto esses incômodos não são observados tão facilmente porque são mais sutis. Em torno dos 55 anos, às vezes até mesmo antes, começa a perda da libido e o interesse sexual diminui ou desaparece, apesar do homem ainda ter ereção peniana. Mais tarde surge a dificuldade em ter ou manter a ereção, alterações de humor, irritabilidade, sintomas depressivos e alterações da memória, entre outros.
.
SINTOMAS DE NÍVEIS BAIXOS DE TESTOSTERONA
.
Cérebro
- Depressão;
- Perda de Concentração;
- Baixa Auto-Estima;
- Fadiga Matinal;
- Alterações de Humor;

- Irritabilidade.
.
Músculos
- Diminuição da Massa Muscular;
- Flacidez Muscular.
.
Pêlos
- Queda de pêlos no peito, face, nas axilas e na região pubiana.
.
Ossos
- Diminuição da densidade mineral óssea.
.
Gordura
- Aumento da gordura corporal, principalmente da gordura visceral.
.
Sexo
- Diminuição do desejo sexual (libido);
- Deficiência na produção de esperma;
- Disfunção erétil (impotência sexual).

 


.

A ação principal da Testosterona leva principalmente sobre os órgãos genitais e sobre o cérebro. Os seus outros alvos são o sistema piloso (pêlos), o tecido muscular, a massa gordurosa, as células sanguíneas e os ossos.
.

ALVOS DA TESTOSTERONA

.
Quando a Testosterona diminui, as ações que exerce sobre os tecidos do corpo diminui igualmente. Uma deficiência das taxas da Testosterona reflete-se por conseguinte à vários níveis de funcionamento (psicológico e corporal). Os sintomas observados podem ser diversos e alterar a qualidade da vida. Tomados separadamente, não são claramente evidenciado como Andropausa. No entanto, se estão todos presentes ao mesmo momento, é necessário pensar um diagnóstico de Andropausa. A expressão e a intensidade dos sintomas observados são variáveis entre os homens.
 


.

O interesse de se corrigir a esta deficiência hormonal é fundamentado pelos seus efeitos nefastos sobre a qualidade de vida mas sobretudo por os perigos a longo prazo aos quais é associada:
.

Ao nível do metabolismo, nota-se um aumento de gorduras do sangue incluindo o colesterol e por conseqüente, dos riscos cardiovasculares (hipertensão arterial, aterosclerose). Na mulher, riscos similares aparecem na Menopausa e parecem ser atenuados pelos tratamentos por Estrógenos (hormônios femininos).
.

A nível ósseo, o déficit de Testosterona característico do Andropausa tem repercussões sobre a qualidade dos ossos o que torna aparecimento da Osteoporose, ou seja uma fragilidade dos ossos, mais provável a longo prazo. A osteoporose pode existir no homem assim como a mulher. O perigo principal é a facilidade fraturar-se as vértebras ou dos ossos longos. As conseqüências nefastas de uma fratura (dor e perda da mobilidade) parecem mais importantes no homem que na mulher mas felizmente a freqüência é claramente menor no sexo masculino. Outros fatores favorecem o aparecimento da osteoporose no homem: a falta de atividade física, o alcoolismo e algumas doenças raras.
.

A acumulação de gordura visceral pode conduzira Obesidade. Esta toma uma distribuição característica "em maçã" que distingue-se da obesidade feminina "em pêra". Acompanha-se freqüentemente de perturbações cardiovasculares.
A nível muscular, a diminuição da força física reflete-se sobre a prática física que diminui por sua vez que traduz assim a entrada num "círculo vicioso".
.

A Fadiga aumentada pode resultar da redução do número de glóbulos vermelhos.

 

OS EFEITOS DA IDADE NO PÊNIS E NA PRÓSTATA

.


O tendão que liga o pênis ao púbis se afrouxa com o tempo, resultando na diminuição do ângulo de ereção. Abaixo, o ângulo correspondente a cada idade.

 

.

Qual foi a última vez que você falhou na cama? Se a resposta demorou para vir à tona, provavelmente você sequer completou 40 anos. Mas se ela veio rápido à sua cabeça, é provável que você já esteja perto dos 50. É difícil admitir, mas dificuldades ocasionais para manter a ereção são consideradas normais após a quarta década de vida e não devem se tornar fonte de frustrações. A flacidez do pênis deve-se principalmente ao desgaste do tendão que liga o órgão ao púbis (osso localizado na região sexual). Com o passar dos anos, o tendão se torna menos elástico e, conseqüentemente, não funciona como deveria todas as vezes que é requisitado. Por mais sexualmente ativo e saudável que o homem seja.
.

Pelo mesmo motivo, o ângulo das ereções tende a diminuir. Se aos 30 anos o pênis fica 20 graus acima da horizontal quando ereto, aos 70 ele se situa 25 graus abaixo. O tempo entre uma ereção e outra, ao contrário, só aumenta com a idade. Aos 30 anos, é comum ter duas ou três relações sexuais numa noite, com intervalos de 20 ou 30 minutos. Aos 60 anos, muitos só conseguem fazer sexo novamente no dia seguinte. Os médicos afirmam que essas são mudanças naturais e que, portanto, os homens deveriam se preocupar menos com a firmeza do pênis ou a freqüência das relações sexuais e mais com a qualidade do sexo.

.

O homem acredita que pode conter as conseqüências do envelhecimento, mas não pode, e, em vez de tentar inibir os efeitos do tempo, deveria se aproveitar deles. Idade é sinônimo de experiência e isso conta muito mais que um pênis infalível para o sexo prazeroso.

.

Uma das evidências de que a eventual flacidez do pênis é natural em homens acima dos 40 anos é que as ereções noturnas também diminuem com o tempo. Enquanto até essa idade elas costumam durar mais de duas horas ao todo, aos 60, elas não passam de uma hora e meia. Os médicos acreditam que as ereções noturnas sejam um mecanismo que a natureza criou para assegurar a procriação. Sabe-se que se o pênis passar meses sem uma ereção, ele torna-se fibroso, correndo o risco de não ficar ereto novamente. As ereções involuntárias, portanto, impediriam que o homem se tornasse impotente antes do tempo. Como após os 40 anos, o homem já teve bastante tempo para procriar a espécie, é natural que a intensidade do mecanismo preventivo reduza.
.

Caso as falhas na cama se tornem rotineiras, não há motivo para pânico. Até os 60 anos, 90% das causas de impotência sexual são psicológicas e apenas 10% são orgânicas. O estresse do dia dia e a depressão pela proximidade da aposentadoria podem estar atrapalhando o desempenho sexual. O melhor remédio nesses casos é alterar o estilo de vida, estabelecendo uma divisão clara entre trabalho e lazer, e encarar o fim dos dias trabalhados como uma oportunidade de gozar a vida.
.

A insegurança e o medo de não ser hábil como antes também costumam ocasionar episódios de impotência. Para driblar a ansiedade, nada melhor que prolongar as preliminares. Além de estimular a parceira, os beijos e abraços vão te ajudar a relaxar. A partir dos 60, fatores psicológicos e físicos dividem igualmente as causas da disfunção sexual. Com o avanço da medicina, no entanto, é possível tratar quase 100% dos casos. Para cada perfil de impotência, há um medicamento novo no mercado.
.

É bom frisar que a dificuldade de ereção não impossibilita o orgasmo ou a ejaculação. Os três fenômenos são independentes. De fato, o número de relações sexuais tende a diminuir com a idade e, com ele, o número de orgasmos. A redução, no entanto, ocorre muito mais em função de um certo desinteresse sexual (afinal, depois de décadas fazendo sexo, isso não é mais novidade) que impossibilidade física. Como acontece com as mulheres, os homens também entram no período do climatério, mas as mudanças são graduais e pouco atrapalham a atividade sexual. A partir dos 40 anos, verifica-se a queda de apenas 1% ao ano da produção de testosterona - as mulheres param de ovular ao atingirem a menopausa -e a qualidade do esperma sofre poucas alterações. Chaplin e Picasso foram pais aos 60 anos.
.

É natural que a vida sexual seja motivo de preocupação ao atingir a meia-idade., mas reserve um tempo para cuidar da saúde de seu aparelho reprodutor. A próstata merece especial atenção. Primeiro porque o câncer de próstata é a segunda maior causa de óbitos por câncer entre os homens brasileiros, perdendo apenas para o câncer de pulmão. Segundo, porque 80% a 90% dos homens apresentarão alargamento da próstata depois dos 40 anos, um processo natural, mas que pode gerar algumas inconveniências.
.

O problema de alargamento da próstata traz menos complicações. Provavelmente, você não vai notar a transformação até que seu sono seja interrompido repetidas vezes para ir ao banheiro. Sinal de que sua próstata cresceu tanto que está amassando parte da uretra (canal por onde sai a urina). Daí a sensação de que a bexiga não esvazia e a falta de controle sobre o ato de urinar. Apenas mais uma inconveniência da idade com a qual se deve aprender a lidar.
 


.

Há milhares de anos os homens vem procurando fórmulas e poções mágicas para manter sua virilidade e até hoje em dia, em certas regiões da Ásia, é comum o uso de determinados "remédios" para melhora da virilidade, que até então sempre foi o foco principal do tratamento dos homens de meia-idade. A própria medicina chinesa emprega o pó do chifre do rinoceronte branco (que praticamente levou o animal à extinção), o pênis do tigre e outras coisas do gênero com o intuito de recuperar a virilidade. Várias culturas têm o hábito de comer testículos de animais assim como de se utilizar de plantas, que sem saberem, estas plantas contém fito-hormônios (hormonios vegetais como a Metoxi-isoflavona) com similaridade química com a testosterona.
.

Há algumas décadas os médicos vinham prescrevendo Testosterona para pacientes com grandes perdas físicas como os queimados, doenças consumptivas e outras doenças em que havia necessidade de uso de um esteróide anabolizante, no caso a testosterona, e observou-se que em muitos homens os resultados no que se refere a disposição física, mental e sexual houve uma melhora excepcional. Com os avanços dos estudos de pesquisas em Endocrinologia chegou-se, hoje, ao uso de Androgênios que causem os menores efeitos colaterais possíveis.
.

Tanto para os homens que ainda já apresentam os sintomas quanto para aqueles que desejam fazer a prevenção da Andropausa, se preocupando com uma melhor qualidade de vida, já existe a Terapia de Reposição Hormonal Masculina, que se tornou mais segura com a forma de aplicação -não mais por via oral ou injetável, mas por via transdérmica, através de gel, cremes ou adesivos cutâneos. Além disso é necessário fazer uma suplementação de vitaminas, sais minerais, oligoelementos, "smart drugs" para melhorar a atividade mental, antioxidantes e em especial determinados aminoácidos que ajudarão a liberar neurotransmissores cerebrais (melhorando o desinteresse sexual e pelas coisas da vida) e aumentar a massa muscular que se perde nessa fase da vida masculina.
.

Com relação aos homens, que já passaram também a se preocupar com a longevidade com um perfeito aspecto estético, o que nós Médicos, temos centrado diz respeito a Andropausa, que hoje pode ser tratada, devido as recentes descobertas médicas, podendo qualquer homem manter e, até mesmo, voltar a ter energia, força física e mental e sua vida sexual completamente normal. O objetivo Médico agora é fazer o homem sentir-se e até mesmo parecer mais jovem.
.

A medida que o homem envelhece os níveis da Testosterona (hormônio masculino), da Dehidroepiandrosterona (S-DHEA) e do Hormônio de Crescimento vão progressivamente diminuído. A Testosterona sofre uma queda em seus níveis sangüíneos a uma perda de cerca de 1% ao ano até chegar ao nível abaixo do limite inferior, ainda que dentro da faixa normal. A Andropausa ao contrário que ocorre com as mulheres, não traz o fim da fertilidade para o homem, porem passa haver uma redução dela devido a uma menor produção de espermatozóides. Também como nas mulheres, por volta dos 35-40 anos o homem também passa a ter uma maior predisposição para engordar e com a Andropausa essa tendência se agrava e esteticamente alguns homens passam também a apresentar perda de massa muscular, agora pela falta de atividade física e/ou exercícios e pela deficiência do hormônio masculino. O desejo sexual já não é mais o mesmo de antes, a qualidade da ereção do pênis torna-se insatisfatória, sua vida sexual passa também a refletir na sua disposição mental e para o trabalho. O déficit de Testosterona no cérebro leva-o a constantes episódios depressivos e sua vitalidade a cada dia se reduz.
.

A Andropausa pode e deve ser tratada e o homem que faz o tratamento volta a ter a energia, força física e mental e vida sexual completamente normal, pois principalmente quando os níveis hormonais são restabelecidos o homem melhora o humor, acaba a irritabilidade, a depressão e volta a sentir vontade de ser novamente produtivo no seu trabalho e na sociedade .
.

A dose de Testosterona a ser utilizada depende do quadro clínico de cada paciente, sendo importante também que se utilize de testosteronas que não sejam tóxicas ao fígado (ex. Mesterolona ou as de uso tópico em gel) e nem sofram o processo de aromatização (ex. Undecanoato de Testosterona). A Aromatização ocorre quando há elevação de uma enzima chamada Aromatase (presente principalmente no tecido gorduroso, especialmente aquele que se forma no abdomen do homem ao chegar a meia idade) e esta enzima começa fazer a transformação do hormônio masculino (Testosterona) em feminino (Estrógenos), responsáveis por uma série de sintomas e distúrbios no homem. Assim, muitas das vezes um homem está fazendo o uso de Testosterona (em uma forma química facilmente aromatizável) e os sintomas não melhoram, alem de começar apresentar ginecomastia (mamas), distribuição de gordura corporal mais do tipo feminina e outros sintomas. Por este motivo a TRH Masculina só deve ser feita por Médico-Especialista com grande experiência em hormônios.
.

Como no tratamento feminino, ao procurar o Médico, o paciente será submetido a exames laboratoriais para ser ter uma visão geral do organismo e ser um parâmetro de a quantas estão os hormônios sexuais, da hipófise, da tireóide e das supra-renais. Verifica-se, inclusive, se há baixa nos precursores dos hormônios, dosa-se os níveis da Testosterona Total e Livre e faz-se uma avaliação de antígeno prostático (PSA Livre, Total e Complexado) para depois começar a terapia hormonal. Entre 30 e 60 dias o paciente já sente e apresenta melhora significativa.
.

As contra-indicações de reposição hormonal são para os homens que apresentem o PSA alterado, hiperplasia benigna da próstata, câncer da próstata e pacientes com antecedentes de câncer prostático na família. Nesses casos todos as demais terapias do tratamento são aplicadas exceto a administração dos hormônios.
.

A participação da esposa ou companheira no tratamento e até mesmo detectar os primeiros sinais da Andropausa são essenciais. Em casais que estão juntos desde jovens muitas mulheres podem observar essas alterações com mais facilidade e até mesmo uma simples observação sem conteúdo sexual pode ser importante: - o cobertor. O homem quando jovem, pelos altos níveis de testosterona, queixa-se do frio da mulher(devido aos estrógenos - hormônio feminino) que ao dormir procura se utilizar de um cobertor ou uma coberta, enquanto o homem quer estar com o ar condicionado ligado. Na meia-idade, agora o que ocorre é o inverso. Se a mulher não estiver fazendo TRH, quem mais sente calor é ela e o homem vai dormir de meias e procura uma coberta para dormir, devido a maior sensibilidade ao frio decorrente do menor nível de testosterona e em parte pela elevação dos níveis de hormônios femininos (Estrona e Estradiol) pois quando pela ação da já citada Aromatase, esta começa fazer a transformação do hormônio masculino em femininos (Estrona e Estradiol). Em homens com mais de 55 anos o médico também deve solicitar a dosagem desses hormônios femininos no homem.
.

Durante o tratamento, em todos os pacientes em Terapia de Reposição Hormonal há um acompanhamento dos níveis hormonais e demais análises clínicas. É preciso ter controle inclusive das vitaminas e minerais para se chegar a um equilíbrio do organismo.
 


Este artigo não pretende a prescrição ou indicação de medicamentos. Se você apresenta algum dos sintomas citados procure um Médico pois nada substitui uma consulta com um Médico especializado, pois tanto para a mulher como para o homem, a avaliação Médica e especialmente a Terapia Ortomolecular tem que ser individualizada e só deve ser prescrita por Médico Especialista, e que para se ter uma base do que se vai indicar para um paciente é necessário fazer uma minuciosa anamnese clínica, avaliar o estado psico-emocional do paciente e fazer um estudo pormenorizado com exames laboratoriais, inclusive Ortomoleculares como o Teste do Cabelo (Mineralograma) e outros através de sangue, urina e fezes.